“Vós também quereis ir embora?” – “A quem iríamos, Senhor?

  • A nós, o Senhor dirá sempre: “Vós também quereis ir embora?” – “A quem iríamos, Senhor? Data da Postagem: 13 set 2013 | Autor: Mateus | Comentários: 0 comentário
  • Wayback Machine

    Previous capture

    Recentemente reli um texto que o eterno amargurado ex-teólogo católico Hans Küng escreveu: “As missas oceânicas do Papa, por quanto bem organizadas e eficazes nos meios de comunicação, não conseguiram esconder o fato que as coisas não estão bem para a Igreja. Há um profundo abismo entre o que a hierarquia ordena e aquilo em que os membros da Igreja acreditam de verdade; um abismo que se reflete na maneira como esses vivem. A frequência às igrejas está em declínio, como também os casamentos religiosos. A prática da confissão desapareceu na maior parte dos países ocidentais. As paróquias sem sacerdotes aumentam e faltam os substitutos”.

    Que pensar da avaliação do Padre Küng, eterno crítico do Vaticano e inconformado com a Igreja? É verdade que diminui o número de católicos praticantes na Europa e em partes do mundo cristão rico; é verdade também que o número de padres tem diminuído muito nos países europeus e que, de modo geral, o Velho Mundo vai se tornando pós-cristão… Segundo Küng, a culpa é da Igreja. A Igreja não saberia compreender o mundo, insistindo no celibato dos padres, no matrimônio indissolúvel, na condenação ao aborto, na condenação às relações pré-metrimoniais, na não admissão de mulheres ao sacerdócio, na avaliação moralmente negativa das uniões homossexuais, na manutenção dos dogmas tradicionais…

    Küng é inteligente e culto. Mas, coitado, é um eterno iludido… Ele não compreende que a Europa volta as costas para a Igreja porque volta as costas para Cristo. O mundo ocidental, fundado hoje numa sociedade de mentalidade imanentista, adoradora do bem-estar e do prazer, não compreende nem deseja compreender a linguagem da cruz. É interessante que os protestantes do centro-norte da Europa têm posto em prática toda essa secularização pagã que Küng gostaria de ver na Igreja: têm pastoras, seus fiéis gays se casam nos templos, o divórcio impera, os contraceptivos são amplamente aprovados… E, no entanto, as igrejas protestantes estão entregues às moscas… Todo centro-norte europeu é praticamente sem religião… Mas Küng faz de conta que não ver isso…

    A Igreja precisa sempre se converter, sim. Mas, não ao mundo pagão. A conversão da Igreja deverá ser sempre mais a Cristo, com todas as suas exigências. Somente assim ela será sal e luz. Não são uma doutrina e uma moral feitas sob medida para o mundo que prestarão um serviço à humanidade! Uma Igreja sob medida não serviria para mais nada a não ser para ser jogada fora e pisada pelos homens! A verdade é Cristo – e é o homem quem deve converter-se a ele, não ele ao homem. Os primeiros cristãos encantaram o mundo não facilitando as coisas, mas crendo no Senhor e amando-O de todo o coração, até a morte quando preciso. Penso, sinceramente, que o caminho que a Igreja deve percorrer é exatamente o oposto daquilo que Hans Küng propõe. Sonho com uma Igreja cada vez mais fascinada por Cristo, que apresente o escândalo do Seu Evangelho sem medo nem meias palavras. Sonho com uma Igreja de cristãos que não tenham medo de ser diferentes, de viver radicalmente na Palavra do Senhor e na fidelidade à Sua Igreja. Seremos, certamente, minoria; aquele pequeno rebanho que servirá de luz, sal e referencial para o mundo.
    No nosso meio podemos ver isso claramente: o futuro da Igreja não está em multidões descomprometidas, mas naquelas comunidades pequenas, mas fervorosas, dispostas à santa loucura por Cristo – a loucura dos santos, a loucura do amor. E só o amor encanta, só o amor faz os santos, só o amor merece fé!

    E os demais, que não aceitam um Evangelho assim? Entreguemo-los à misericórdia de Deus, que tem Seus caminhos, como Jesus entregou o jovem rico, deixando-o ir embora livremente por não aceitar Suas exigências. A nós, o Senhor dirá sempre: “Vós também quereis ir embora?” Uma coisa é certa: o Evangelho não está para negócio. Não se negocia o tesouro de grande valor. Quem quiser permanecer discípulo do Senhor, quem quiser experimentar o seio acolhedor da Mãe católica terá de responder sempre ao Senhor: “A quem iríamos, Senhor? Só Tu tens palavras de vida eterna e nós cremos e sabemos que és o Filho de Deus!”

    Fonte: Facebook Dom Henrique

    Leia também…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *