Uma propaganda, dois mundos.

  • Uma propaganda, dois mundos. Data da Postagem: 24 out 2013 | Autor: Ataíde | Comentários: 0 comentário
  • Wayback Machine

    Previous capture

    “Uma coisa bela persuade por si mesma, sem necessidade de um orador.” William Shakespeare

    Por Anthony Tannus Wright

    IMAGEM: “Mito x Verdade: O seu conhecimento não pode parar no tempo. Nem a gente”. Propaganda do Colégio Mãe de Deus de Londrina, PR, instituição que até algumas décadas atrás admitia exclusivamente moças e que adotava para elas, até 2009, o uso de saias.

    Fosse uma crítica à situação atual, o cartaz mereceria aplausos. A propaganda do Colégio Mãe de Deus, de Londrina, Paraná, sintetiza a deprimente realidade da educação religiosa no Brasil e, ainda, expõe a falência da cultura católica no mundo.

    Penso que a propaganda por si só explica minha observação, contudo, como tenho sofrido a má experiência de ver que nem mais o óbvio é evidente, farei o favor de brevemente fundamentar a critica.

    Sorrisos puros, alegres e espontâneos de uma naturalidade incontestável. Meninas bem vestidas. E por que digo bem?, um leitor poderia se interrogar. E respondo que não é devido a um gosto estético puritano oriundo de um tradicionalismo rancoroso meu, mas devido a conhecimento de causa, que “a diferença dos tempos explica a dos trajes e das atitudes.” Digo “bem”, ainda, porque a elegância do vestir na moda e com modéstia causa essa harmonia.

    Do outro lado, um grupo de alunos, com seus uniformes. Se o uniforme em si não é um mal, estes estão longe de traduzir beleza ou ordem. Tampouco nutrem admiração. Os sorrisos mecânicos e teatrais não transmitem o mesmo encanto como o da primeira foto.

    Por fim, indago: O que o Colégio Mãe de Deus deseja transmitir com essa propaganda? Que é preciso nos adequar ao mundo de hoje? Que educação moderna é um progresso em comparação com a educação clássica? Que a educação mista é melhor? Honestamente, não sei responder. O que sei, é que as escolas católicas precisam menos Paulo Freire e mais John Henry Newman.

    Fonte: fratresinunum.com

    Leia também…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *