Reveladas fotos da jovem que morreu após aborto legal e “seguro” nos EUA

[box_info]Amor Mariano: Minha vontade, ao publicar a notícia, era de colocar as fotos no site, mas em respeito aos leitores deixo apenas o link para aqueles que sentirem vontade acessem e veja o terror que é o aborto.[/box_info]

WASHINGTON DC, 14 Jan. 13 / 12:36 pm (ACI).- O grupo pró-vida americano Life Dynamics iniciou um site no qual busca denunciar, de forma explícita, a violência e a morte ocasionada com os abortos nos Estados Unidos, não só dos bebês no ventre materno, mas que também (e apesar de serem chamados de abortos “seguros e legais”), ceifam as vidas das mães.

O Site denominado “Safe and Legal” (seguro e legal), expõe o caso de Marla Cardamone, uma jovem de 18 anos que morreu ao ser submetida legalmente a um aborto, em um hospital da Pensilvânia (Estados Unidos).

“Um conselheiro médico disse a Marla que os medicamentos que tinha estado tomando poderiam levar a que a criança nascesse com severos defeitos. Logo, este conselheiro começou a pressionar Marla para que aborte”, relata o site.

A pesar do inicial rechaço da jovem ao aborto, “a pressão aumentou até ela não poder resistir. Nesse ponto, um abortista interveio para matar o seu bebê”, assegura o grupo pró-vida.

Enquanto o médico procedia a matar a criança, “matou também Marla”, asseguraram.

Life Dynamics expõe na página web e em panfletos as imagens da autópsia realizada a Marla Cardamone, assim como de seu filho não nascido, com a autorização da mãe de Marla, Deborah.

Debora Cardamone tem a intenção de que o caso de sua filha não se repita em outras jovens.

Em declarações recolhidas pelo mencionado grupo, Deborah assegura que “as fotos que verão neste folheto são fotos que vejo em minha mente todos os dias”.

“Necessito que as pessoas entendam, necessito que a mentira se detenha, necessito que alguém se importe”, assinalou.

Life Dynamics adverte que “o que vão ver não é bonito. Estas imagens são feias, perturbadoras e não são apropriadas para todas as audiências”.

“Estas também são imagens que o lobby ‘pro-choice’ (abortista) nunca quis que fossem vistas”, asseguram.

O grupo pró-vida revelou que, depois da morte de Marla, os médicos determinaram que seu bebê não tinha anormalidade alguma.

O site pode ser visitado em: safeandlegal.com

[box_warning]ADVERTÊNCIA: As imagens são fortes e podem ferir a sensibilidade do leitor. Recomendamos cautela.[/box_warning]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *