Queremos todos os filhos !!!

Queremos todos!

A conversa sempre começa por conta de: “Nossa, quanto menino?!”; “Vocês querem mais?”

Resposta do meu esposo: “Quero todos!”
Daí começa…

“Ter filho é bom mas dá trabalho.”

Eu: Pergunte pra sua mãe o trabalho que você deu… Dá trabalho mesmo, porque tuuudo e absolutamente tudo nessa vida dá trabalho.

“Nossa, mas anda tudo muito difícil, criança gasta muito.”

Eu: Gasta, como tudo na vida. Se eu lhe der um carro que você não possa vender, você vai querer mesmo com todo o ônus de gasolina, manutenção, IPVA. Carros também gastam e nós não reclamamos, porque carro é igual a status e conforto, e filho que é melhor que carro te tira o seu principal apego, seu comodismo.

“Mas o mundo hoje tá difícil demais.”

Meu esposo: Eu adoro essa desculpa. Mostra fralda descartável, fala das facilidades e da evolução da tecnologia.

“Mas, falo difícil na questão da bandidagem, das drogas, das coisas erradas.”

Eu: Nesse caso mais uma coisa pra pisar no nosso calo. O comodismo. Se o mundo está difícil é preciso cuidarmos muito mais de dar uma educação sólida e de princípios para os nossos filhos. Mas não, a gente não quer passar tempo ensinando, a gente quer assistir séries, ficar na internet deitado no sofá, assistir qualquer bobagem num domingo ao invés de fazer um passeio educativo com eles.

Sabe porque não queremos filhos?

Porque somos egoístas. Queremos sombra e água fresca. Queremos um carro de última geração, queremos uma casa ultra confortável, queremos viagens pra praia, pro exterior, queremos cervejas e churrascos, e o melhor sem crianças pra atrapalhar. Porque criança chora, faz birra, não quer comer, nos exige atenção.

Não queremos filhos, porque não queremos levantar a noite, não queremos ficar com fome porque temos que alimentá-los primeiro. Não queremos lagar nossa série, nosso jogo, nosso celular, nossa cerveja, nosso futebol, nosso corpinho escultural (no caso das mulheres), nosso soninho gostoso, pra atendê-los.

Não é o mundo, não é a crise, não é a pobreza. É em suma, nosso comodismo. É meu medo de gastar-me, de gastar-me ainda mais… É meu medo de morrer, morrer de cansaço, morrer de trabalhar, morrer de estresse. É meu ego que grita conforto, que grita descanso.

E, depois de repensar tudo isso. Você eleva o pensamento, reflete como é bela a família que tem construído, como os filhos te fizeram uma pessoa melhor, como este mundo é passageiro, como você aspira a Deus, como você quer realmente viver tua vocação da forma que agrade a Ele.
Daí você vai se resignando e olhando as flores no meio das cruzes, contempla a vida dos santos e encontra forças para lutar, para dar mais, para sorrir em meio às lágrimas.

Existe beleza na tua oração silenciosa e esta, só você e Deus o sabem. Existe Deus observando tuas renúncias, existe Cristo carregando contigo a cruz. E depois tudo se torna paz, e coragem para continuar o árduo caminho e na velhice olhar para os filhos e dizer: “Combati o bom combate, guardei a fé.”

Texto pensado, rezado e escrito pra desabafar, o medo e a alegria de estar gerando o quinto filho. Filho este que só me traz paz, porque me une a Cristo. Deus acredita mais em mim do que eu mesma, e me deu mais uma alma amada dEle pra eu cuidar.

Estamos felizes e seguros de que Ele nos dará o sustento.

Agora são

Texto de autoria da equipe Auxílio no Parto

Fonte: Facebook auxilio no parto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *