PREPARAR AS PESSOAS PARA A CELEBRAÇÃO

4fced81ba2a0dd1e857713fd37247326

Importante que a pastoral litúrgica ocupe-se com a preparação, realização e avaliação das celebrações.

1. Por que muitos não vão à Missa?

Eis a questão! Por que o povo vai tão pouco à missa? E por que deixa de ir por motivos simples? Por que os batizados celebram sua fé com tão baixa frequência? Basta receber uma visita, surgir um imprevisto, incomodar-se ou ter um mero desentendimento familiar de última hora, para não ir à igreja e deixar de celebrar.

São questionamentos tão amplos, que é impossível respondê-los a todos, individualmente, como merecem. Entretanto, buscam-se algumas pistas:

a) Falta, pois, preparação do povo;
Quantas vezes a comunidade se reuniu para conhecer melhor e refletir sobre o que é e para que serve a missa?

b) Falta, pois, preparação do povo;
As pessoas sabem o que é e qual a eficácia do efeito que faz a Eucaristia na sua vida diária?

c) Falta, pois, preparação do povo;
Os que vão e participam da missa estão cientes do que é e da força que representa uma assembleia litúrgica, expressão simbólico-sacramental dos próprios crentes?

d) Falta, pois, preparação do povo;
Quantas vezes reuniu-se a comunidade (fora da missa) para com ela procurar entender a razão da leitura das Escrituras nessa reunião festiva à qual se associam? Em que ponto anda o estudo da Bíblia?

e) Falta, pois, preparação do povo;
Quantas vezes reúne-se essa parte da Igreja para valorizá-la, elevar a autoestima, gerando estímulos de pertença que solidifiquem os laços já existentes, conclamando outros à participação nas celebrações?

f) Falta, pois, preparação do povo;
Quanto de formação litúrgica está contemplado em nossos planos e projetos pastorais? Não damos por “de cor e salteado” muitas realidades de nossa religião que ainda permanecem estranhas e desconhecidas para a maioria do povo?

g) Falta, pois, preparação do povo;
É tarefa confiada à Igreja a celebração da Eucaristia, por isso faz-se necessário a Igreja pensar como está à formação litúrgica e com que instrumentos evangeliza-se.
Não está sendo minimizado este mistério de fé, que supõe educação e formação permanente de uma comunidade eclesial? Não se apresenta embaçada por outras atividades e serviços que desempenha, e que, por certo, nem é o específico dos cristãos?
A Igreja pede zelo: “Por isso, a Igreja com diligente solicitude zela para que os fiéis não assistam a este mistério da fé como estranhos ou espectadores mudos. Mas cuida para que […] aprendam e oferecerem-se a si próprios oferecendo a hóstia imaculada, não só pelas mãos do sacerdote, mas também juntamente com ele e assim, tendo a Cristo como Mediador, dia a dia se aperfeiçoem na união com Deus e entre si, para que, finalmente, Deus seja tudo em todos” (SC, n.48)

Vivat Cor Iesu, Per Cor Maria!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *