Por que não aderir ao falso ecumenismo?

  • Por que não aderir ao falso ecumenismo? Data da Postagem: 21 jun 2013 | Autor: Ataíde | Comentários: 1 comentário
  • Wayback Machine

    Previous capture

    A Igreja Católica fundada por Nosso Senhor (MT XVI, 18) é por vezes comparada as seitas. Sem nos prendermos nas similaridades ou até mesmo igualdade entre as duas, devemos primeiramente observar as diferenças claras entre elas:

    1) A Igreja Católica é a única que possuí o verdadeiro sacerdócio, confiado na linha continua já indicada por Irineu de Lyon, no século II, em seu celebre livro “Contra as Heresias”.

    2) Devido à legitimidade do seu sacerdócio, a Igreja Católica é a única que possuí sacramentos válidos, em especial a Eucaristia, que constitui toda riqueza da Igreja, a qual Nosso Senhor mandou que fizessem até o fim dos dias (Mt 26,26-28). Nosso Senhor ainda disse:

    “Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a Carne do FILHO do Homem e não beberdes o seu Sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a Minha Carne e bebe o Meu Sangue tem a vida eterna e EU o ressuscitarei no último dia.

    Pois a Minha Carne é verdadeira comida e o Meu Sangue, verdadeira bebida.
    Quem come a Minha Carne e bebe o Meu Sangue permanece em MIM e EU nele”.
    (Jo 6,53-56)

    3) Jesus deu somente aos apóstolos, posteriormente transmitido aos seus sucessores, o poder de perdoar a qualquer pecado (São João 20,23). Nosso Senhor podendo perdoar qualquer pecado sozinho e por qualquer meio, cria através do sacerdócio um caminho seguro para perdoar os pecados.

    Com esses três pontos, já nos torna claro que por mais bem intencionado que um protestante seja, ele jamais poderá realizar nenhum desses sacramentos validamente, simplesmente por não ser sucessor direto de um dos apóstolos.

    Logicamente existem similaridades e alguns pontos pacíficos, como a Sagrada Escritura, contudo, foi mal traduzida intencionalmente por muitos escritores protestantes. Iniciando pelo pai do movimento, Lutero, um exemplo é a tradução do termo “cheia de graça”, por simplesmente “bem aventurada”. De fato Nossa Senhora é bem-aventurada, mas essa tradução foi proposital para evitar a conclusão que a Tradição sempre portou, ou seja, Ela é imaculada.

    O pai do protestantismo ainda tirou sete livros do cânon protestante, só para legitimar sua perspectiva de inexistência do purgatório. Existem outros variados erros de tradução feitos por protestantes, mas, citamos apenas alguns.

    A tentativa de legitimação do protestantismo como uma fé válida encontra-se num contexto grosseiro onde tudo e qualquer coisa é válida e que por isso toda realidade católica cai por terra, ora se ninguém está com razão, então a Eucaristia é ao mesmo tempo, um teatrinho de péssimo gosto e o Corpo de Jesus Cristo. A simples cogitação dessa dualidade de realidades tornaria a Eucaristia algo impossível de se crer, e, nossa presença na igreja tão importante quanto a visita a um circo. Ora, não pode existir mais de uma verdade, pois, automaticamente uma seria mentira.

    Logicamente Deus como dono da graça pode salvar quem quiser, contudo, não confundamos as exceções da misericórdia divina com o plano de salvação de Nosso Senhor. Jesus Cristo deu-nos a Igreja, as Escrituras completas, a doutrina, os sacramentos, a proteção e intercessão maternal de Nossa Senhora e dos santos, não para criarmos outros caminhos, mas para que usemos os caminhos por Ele mesmo dado.

    Sendo assim, entende-se que o verdadeiro ecumenismo é aquele que, pacificamente, revela a todos os cristãos qual a verdadeira fé, quebrando os mitos e preconceitos dos incautos, uma vez que, inegável e irrefutavelmente (para os imparciais) é a fé professada a 2.000 mil anos pela Igreja Católica.

    Fonte: santaigreja.com

    Leia também…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *