“Os que querem a guerra na Síria são instrumentos do diabo”

Padre Gabriele Amorth. Foto: Grupo ACI

O famoso exorcista da diocese de Roma, o padre Gabriele Amorth, afirmou esta semana que“estes que querem a guerra na Síria são instrumentos do diabo”. As declarações do sacerdote foram feitas à emissora italiana Tgcom24. “O Senhor é um Deus de paz, quer a paz, quer o amor entre os homens, quer a solidariedade e a ajuda, de modo que o rico ajude o pobre. E Satanás é quem quer a morte e a guerra”, disse.

Padre Amorth aplaudiu a iniciativa do Papa Francisco de convocar uma vigília de oração pela paz no Oriente Médio. Ele assegurou que, sem dúvida, “incomodará o diabo”. “O Papa tem o objetivo de influir. De que modo? Como um Papa, orando pela ajuda de Deus, este é o modo de atuar dos cristãos. Não com bombas para rebater outras bombas, mas com a oração para rebater as bombas.”

As palavras do sacerdote italiano são de repúdio à intervenção militar estrangeira na Síria, após um ataque que matou centenas de pessoas no país. Para o padre Gabriele Amorth, a ingerência das potências mundiais na Síria não afastaria a ameaça do uso indevido de armas químicas. “Tenho presente a frase que disse o Papa Pio XII para evitar a segunda guerra mundial: ‘Tudo está perdido com a guerra, tudo se pode salvar com a paz’. Todos os sistemas violentos deveriam ser condenados”, concluiu.

Neste sábado, véspera da natividade de Nossa Senhora, todo o mundo se coloca de joelhos diante do Imaculado Coração de Maria para pedir a paz, para implorar a Deus que os homens recordem as tristes lições do último século e ponham termo a guerras injustas.

De fato, o Catecismo da Igreja Católica lembra que “a paz não é somente ausência de guerra e não se limita a garantir o equilíbrio das forças adversas”. É importante recordar este ensinamento moral católico, especialmente quando muitos tendem a confundir a defesa da paz com um malfadado pacifismo. Este tem por essência não a paz de Cristo (cf. Jo 14, 27), obra da justiça (cf. Is 32, 17), mas uma caricatura dela, fruto seja da inércia dos que negam a existência do mal, seja da covardia dos que a reconhecem, porém não desejam combatê-la.

Como dizia o bem-aventurado João XXIII, a paz da qual fala a Igreja:

Para o cristão, a verdadeira paz é fruto de uma guerra, de um combate pesado, para o qual ele deve tomar “a armadura de Deus”, cingir-se com a verdade, vestir-se “com a couraça da justiça” e, sobretudo, embraçar “o escudo da fé” (cf. Ef 6, 13s).

Esta guerra, porém, diz São Paulo, “não é contra homens de carne e sangue (…), mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares” (Ef 6, 12). Mais que pedir o fim da guerra e o cessar das armas, urge que se rejeitem as propostas malignas do príncipe deste mundo, o diabo, e que se convertam os propósitos dos corações das pessoas. Afinal, não existe uma arma que mate sem que haja, antes, o pecado da cólera e do ódio ao próximo.

Mesmo que a situação soe como irreversível e as negociações, a este ponto, pareçam frustradas, unamos nossa oração ao pedido de paz oferecido pelo Santo Padre, a fim de que se afigure neste mundo pelo menos uma sombra daquele glorioso dia em que “uma nação não levantará a espada contra outra, e não se arrastarão mais para a guerra” (Is 2, 4).

Por Equipe Christo Nihil Praeponere | Informações:ACI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *