Não sejamos cúmplices de nossa época.Os cristãos sofrem

AsiaBibi-150x150

Finalmente fomos aos Paquistão. Há alguns meses lhe disse que sairíamos nas semanas seguintes. A viagem programada teve de ser suspensa porque um dia antes da saída da nossa equipe (estavam todos com passagens compradas e hotéis reservados) receberam um telefonema da Embaixada e da Nunciatura Apostólica com o pedido de cancelamento da viagem por razões de segurança. Finalmente fomos ao Paquistão. A viagem foi realizada graças a você e a muitos que apoiaram esta campanha pela libertação de Asia Bibi.

O presidente de CitizenGO, Ignacio Arsuaga, enviou-nos uma mensagem de Lahor, no Paquistão, após uma viagem de 20 horas.

CitizenGO foi ao Paquistão para apoiar Asia Bibi, a cristã paquistanesa acusada de blasfêmia e condenada à morte. Estamos em contato com os advogados e familiares dela. O fato de os cristãos serem minoria não significa e não pode significar que sejam tratados como pessoas de segunda classe. Não permitiremos que isso aconteça. Não vamos deixa-los sozinhos. Posso contar com você?

O mais importante é que você conheça a situação dos cristãos no Paquistão: são perseguidos, presos, suas casas são incendiadas… Poderia compartilhar este vídeo com os seus amigos e familiares?

Esta foi a mensagem que Ignacio Arsuaga nos enviou:

Eu me atrevi a pedir aos cristãos paquistaneses que conheci que orassem por nós. Responderam com uma emoção que me deixou comovido. Eles agem com uma humildade que me tocou o coração, você não imagina quanto. Eles precisam das nossas orações em meio à marginalização e à pobreza, mas nós precisamos das orações deles em meio ao deserto espiritual da nossa sociedade. Conto com você para seguir dizendo aos cristãos paquistaneses que podem ter certeza de que não os abandonaremos.

Emocionante. 97% da população paquistanesa é muçulmana. Os outros 3% são cristãos, mas também parsis, hindus, etc. Eles são a minoria da minoria. Além de serem poucos, são desprezados e humilhados.

Por isso quisemos ir ao Paquistão; para enfrentar essa injustiça. Com a nossa campanha, não queremos apenas tirar Asia Bibi na prisão, mas também conscientizar os países ocidentais sobre a situação dos cristãos perseguidos em países como o Paquistão. Segundo organizações internacionais, 1.000 mulheres são assassinadas anualmente no Paquistão. Cerca de 100.000 cristãos são assassinados anualmente e 150 milhões são perseguidos. Desgraçadamente, Asia Bibi não é uma exceção. O Paquistão é um dos países mais perigosos do mundo para as mulheres cristãs.

Por isso lhe proponho que divulgue ao máximo este vídeo no qual Arsuaga conta, do Paquistão, a situação de marginalização e perseguição que vivem os cristãos paquistaneses:

Porque as suas (e as nossas) convicções nos animam a apoiar as pessoas perseguidas por motivos religiosos…

Porque a nossa fé nos impele a dar testemunho junto aos nossos irmãos perseguidos…

Porque continuamos comprometidos a fazer tudo o que for possível para libertar Asia Bibi…

Porque assumimos como um tema não negociável a defesa da liberdade mais atacada: a liberdade religiosa…

Porque não queremos ser cúmplices da nossa época, a de maior perseguição dos cristãos em toda a história, a mais que gerou mais mártires…

Lembre-se de que ainda está ativada a nossa campanha pela libertação de Asia Bibi e em apoio aos cristãos perseguidos.

http://www.citizengo.org/pt-pt/2187-liberdade-para-asia-bibi-perseguicao-aos-cristaos

Muito obrigado por seu apoio, Site. Continuaremos trabalhando até que Asia Bibi seja libertada e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para mostrar ao mundo qual é a verdadeira situação dos cristãos perseguidos no Oriente e no Oriente Médio.

Um forte abraço.

Guilherme Ferreira e toda a equipe de CitizenGO

P.S.: Durante essa viagem também foram feitas filmagens para o documentário sobre Asia Bibi e sobre a perseguição aos cristãos.

——

CitizenGO é uma plataforma de participação cidadã que trabalha para defender a vida, a família e as liberdades fundamentais em todo o mundo. Para saber mais sobre CitizenGO, clique aqui,ou siga-nos via Facebookou Twitter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *