Liturgia Diária – 17/09/2013, São Roberto Belarmino

  • Liturgia Diária – 17/09/2013, São Roberto Belarmino Data da Postagem: 17 set 2013 | Autor: Ataíde | Comentários: 1 comentário
  • Wayback Machine

    Terça-feira da 24ª semana do Tempo Comum

    S. Roberto Belarmino, bispo, Doutor da Igreja, +1621

    Previous capture

    Nasceu no ano de 1542 em Montepulciano, na Toscana. Entrou na Companhia de Jesus em Roma e foi ordenado sacerdote. Sustentou célebres disputas em defesa da fé católica e ensinou Teologia no Colégio Romano. Eleito cardeal e nomeado bispo de Cápua, contribuiu com a sua atividade junto das Congregações Romanas para a resolução de numerosos problemas. Morreu em Roma no ano 1621.(www.liturgia.pt)

    1ª Carta a Timóteo 3,1-13.

    Caríssimo: É digna de fé esta palavra: se alguém aspira ao episcopado, deseja um excelente ofício.
    Mas é necessário que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, sóbrio, ponderado, de bons costumes, hospitaleiro, capaz de ensinar;
    que não seja dado ao vinho, nem violento, mas condescendente, pacífico, desinteressado;
    que governe bem a própria casa, mantendo os filhos submissos, com toda a dignidade.
    Pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará ele da igreja de Deus?
    Que não seja neófito, para que não se ensoberbeça e caia na mesma condenação do diabo.
    Mas é necessário também que ele goze de boa reputação entre os de fora, para não cair no descrédito e nas ciladas do diabo.
    Do mesmo modo, os diáconos sejam pessoas dignas, sem duplicidade, não inclinados ao excesso de vinho, nem ávidos de lucros desonestos.
    Guardem o mistério da fé numa consciência pura.
    Sejam também eles, primeiro, postos à prova e só depois, se forem irrepreensíveis, exerçam o diaconado.
    Do mesmo modo, as mulheres sejam dignas, não maldizentes, sóbrias, fiéis em tudo.
    Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, capazes de dirigir bem os filhos e a própria casa.
    Pois aqueles que cumprirem bem o diaconado adquirem para si uma posição honrosa e autoridade em questões de fé, em Cristo Jesus.

    Livro de Salmos 101(100),1-2ab.2cd-3ab.5.6.

    Quero cantar o amor e a justiça;
    para Ti, Senhor, hei-de cantar.
    Quero seguir pelos caminhos da honestidade:
    Quando virás ao meu encontro?
    Procederei honestamente
    com os da minha casa.

    Não porei diante dos meus olhos
    ações iníquas.
    odeio os caminhos dos rebeldes,
    não me haverei de contagiar.
    Hei-de reduzir ao silêncio
    o que, às ocultas, calunia o seu semelhante.
    Não hei-de tolerar
    o arrogante e orgulhoso de coração.

    Os meus olhos procurarão gente fiel do meu país,
    para viver junto de mim.
    Só aquele que segue pelo caminho honrado
    poderá estar ao meu serviço.

    Evangelho segundo S. Lucas 7,11-17.

    Next capture

    Naquele tempo, dirigia-Se Jesus para uma cidade chamada Naim, indo com Ele os seus discípulos e uma grande multidão.
    Quando estavam perto da porta da cidade, viram que levavam um defunto a sepultar, filho único de sua mãe, que era viúva; e, a acompanhá-la, vinha muita gente da cidade.
    Vendo-a, o Senhor compadeceu-se dela e disse-lhe: «Não chores.»
    Aproximando-se, tocou no caixão, e os que o transportavam pararam. Disse então: «Jovem, Eu te ordeno: Levanta-te!»
    O morto sentou-se e começou a falar. E Jesus entregou-o à sua mãe.
    O temor apoderou-se de todos, e davam glória a Deus, dizendo: «Surgiu entre nós um grande profeta e Deus visitou o seu povo!»
    E a fama deste milagre espalhou-se pela Judeia e por toda a região.

    Comentário do dia
    Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África), doutor da Igreja
    Sermão 98

    «Jovem, Eu te ordeno: Levanta-te!»

    No Evangelho encontramos três mortos ressuscitados pelo Senhor de forma visível, e milhares de forma invisível. […] A filha do chefe da sinagoga (Mc 5,22ss), o filho da viúva de Naim e Lázaro (Jo 11) […] são símbolo dos três tipos de pecadores ainda hoje ressuscitados pelo Senhor. A menina ainda se encontrava em casa de seu pai […], o filho da viúva já não estava em casa de sua mãe, mas também ainda não estava no túmulo, […] e Lázaro já estava sepultado. […]

    Assim, há pessoas com o pecado dentro do coração mas que ainda não o cometeram. […] Tendo consentido no pecado, ele habita-lhes a alma como morto, mas não saiu ainda para fora. Ora, acontece amiúde […] aos homens esta experiência interior: depois de terem escutado a palavra de Deus, parece-lhes que o Senhor lhes diz: «Levanta-te!» E, condenando o consentimento que dantes haviam dado ao mal, retomam fôlego para viver na salvação e na justiça. […] Outros, após aquele consentimento, partem para os atos, transportando assim o morto que traziam escondido no fundo do coração para o expor diante de todos. Deveremos desesperar deles? Não disse o Salvador ao jovem de Naim: «Eu te ordeno: Levanta-te!»? Não o devolveu a sua mãe? O mesmo acontece a quem atuou desse modo: tocado e comovido pela Palavra da Verdade, ressuscita à voz de Cristo e volta à vida. É certo que deu mais um passo na via do pecado, mas não pereceu para sempre.

    Já aqueles que se embrenham nos maus hábitos, ao ponto de perderem a noção do próprio mal que cometem, procuram defender os seus maus atos e encolerizam-se quando alguém lhos censura. […] A esses, esmagados pelo peso do hábito de pecar, albergam as mortalhas e os túmulos […] e cada pedra colocada sobre o seu sepulcro mais não é do que a força tirânica desse mau uso que lhes oprime a alma e não lhes permite, nem levantar-se, nem respirar. […]

    Por isso, irmãos caríssimos, façamos de tal modo que quem vive viva, e quem está morto volte à vida […] e faça penitência. […] Os que vivem conservem a vida, e os que estão mortos apressem-se a ressuscitar.

    Fonte: evangelhoquotidiano.org

    Leia também…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *