Conquistaremos Roma

muculmanoameacando

Eis a expressão mais cruel do ódio maometano

A revista “Dabiq” do Estado Islâmico, publicou na capa a montagem fotográfica de uma bandeira negra maometana ondeando sobre o obelisco da Praça de São Pedro.

Nas páginas interiores, os seguidores de Alá justificam o rapto, a compra e a venda em mercados de cristãs como escravas sexuais, bem como formas de estupro e exploração do sexo.

O sheik Abu Muhammad escreve: “Nós vos prometemos (oh, cruzados) que esta será a vossa última campanha. Conquistaremos a vossa Roma, romperemos as vossas cruzes e faremos escravas vossas mulheres. Se não conseguirmos desta vez, então, nossos filhos e netos o farão, e venderão vossos filhos como escravos no mercado dos escravos.”

Em face de tal declaração, como explicar que vozes eclesiásticas do Ocidente critiquem o uso lícito de armas para conter a sanha anticatólica e facinorosa desses islamitas?

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 769 (Janeiro/2015)

COMENTÁRIO ARNALDO HAAS – www.recadosdoaarao.com.br

Infelizmente o que eles estão prometendo aqui acontecerá de fato, porque assim falam as profecias. Embora que, também, os muçulmanos que fizerem isso não irão chegar às suas casas para comemorar a vitória. Tudo isso não por força deles, mas porque Deus assim o permitirá, para que Roma – diga-se o Vaticano – lave com sangue a sujeira das suas abominações. Com absoluta certeza é dali que parte para o mundo todo o comando da destruição da humanidade.

Ontem eu percorria a internet ao acaso, e quando cheguei nos vídeos com pessoas que denunciam o que acontece ali – e não somente no Vaticano mas em todo mundo – e com pessoas que ainda dizem ser igrejas, denúncias feitas até por sacerdotes e ex-padres, que inclusive participaram destas abominações, digo que senti náuseas. Se o leitor imaginar algo de ruim que possa estar acontecendo em nosso meio, pode agora multiplicar por mil, aquilo que imaginou, porque ainda ficará aquém dos fatos. Mesmo que haja exageros em algumas das reportagens, e que outras sejam tendenciosas e até absurdas o fato é que já pelas profecias sabemos disso.

Então eu imaginava que, se algumas estatísticas dizem que 95% dos povos muçulmanos são de paz e que apenas 5% são radicais, então esta imensa maioria, para provar que é mesmo de paz deveria lutar em erradicar do seu meio a estes assassinos exaltados, entretanto não se vê nenhuma iniciativa séria neste sentido. Pior, o radicalismos deles se exacerba dia a dia, e sabemos que no fim todos os muçulmanos se lançarão sobre o Ocidente, cumprindo assim as profecias atuais.

Mas, pensando bem, a força que eles recebem para agir desta forma brota da fraqueza da nossa Igreja, porque a grande batalha é espiritual. São os pecados cometidos pelas pessoas de dentro da nossa Igreja é que permitem o avanço das hostes de Maomé. E isso porque nós não rezamos o suficiente para evitar que tal aconteça. O fato é que, aqui também se trata de uma minoria que comanda esta destruição na Igreja, e se nós não conseguimos deter o avanço deste mal interno, também não podemos criticar os muçulmanos que são de paz, por não conseguirem conter suas falanges de ódio.

Num outro assunto, mas correlato, vimos que Bergóglio disse que os “católicos não devem se proliferar como coelhos”, afirmando que alguns especialistas sugerem o máximo de três filhos por casal. Ora, isso merece uma série de reparos. Em primeiro lugar ele está a falar mal de minha mãe, taxando-a de uma coelha, porque teve doze filhos vivos e três abortos espontâneos. Em segundo ele está a incentivar o controle da natalidade que é contrário à Doutrina da Igreja. Por último, por qual motivo ele não atira esta flecha nos maometanos que têm em média sete filhos por casal? Por que só os católicos são coelhos?

E ademais há aqui um contrassenso porque em toda a Europa dita católica o índice de reprodução humana está abaixo de 1.8 filhos por casal, estando a Itália, inclusive, com 1.3 o que os especialistas já consideram irreversível, e implica em poucos anos no desaparecimento de uma Itália dos italianos, em troca de uma Itália dos maometanos. O Bergóglio precisa é incentivar a procriação na Europa, porque do modo como está indo tende a desaparecer até porque já se fala que são 50 milhões os maometanos na Europa.

Falando nisso, este é um dilema dos invasores, eles não conseguirão fazer uma guerra cirúrgica protegendo os seus povos que ali vivem. OU, quem sabe, desejam isso, uma vez que são tão carregados de ódio, que matam até mesmo os seus. E devido a isso, se pode afirmar com absoluta certeza: quando acabar a guerra que eles já começaram, nem um só deles estará vivo para contar sua história. Nem eles, nem seus filhos e decendentes! (Aarão)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *